O MUNDO DOS ESPIRITOS NA COSMOLOGIA YORUBA:

Postado em Atualizado em


Vou dar dois exemplos bem práticos. Sabe nas feiras de ciências do colégio? Quando se fazia um vulcão de argila e para imitar a erupção do vulcão usava-se uma mistura de bicarbonato de sódio de vinagre. O que acontecia quando se colocava o vinagre? o bicarbonato de sódio fermentava e fazia uma espuma.

O espírito é aquela “espuma” para nós, ou seja, sem as devidas “misturas” ele não existe, ele não tem vida própria e nem inteligência própria, para que aja vida ou no mínimo inteligência deve estarem interligados os elementos “mágicos” gerador da vida e da consciência.

emi + ara + ori + egun

emi = sopro divino

ara = corpo (que não necessita ser corpo humano) pode ser um corpo de barro como são os assentamentos e pode ser um corpo de pano como é o do baba egun

ori = individualidade

egun = é a memória

não, sem eles os espíritos não tem vida

Outra questão é sobre iya omo mesan orun. Em verdade a tradução emica (a feita pelos yorubas)  é a seguinte: “mãe do céu que possui 9 filhos” pois são 9 os filhos de oya, com a entrada dos europeus na nigéria Oya passou a ser chamada de omo mesan orun aludindo a 9 espaços celestiais  que não existiam até o europeu chegar, em verdade aproveitaram este título de oyá,  para “catequisar” os nigerianos e assimilar a eles noções de inferno, purgatorio, céu, paraíso, umbral,  o mesmo ocorreu com olodumaré,  olodumaré é o nome de deus na nigéria, olorun é um nome europeu, olo = senhor, orun = céu, deus nigeriano se quer está no céu,    este nome, olorun foi criado pelos europeus para assimilar olodumaré a jeovah.

A questão de, porque os sentimos Os Espíritos?

Os 9 oruns não existem. Tenho vários artigos, livros até relatos de nigerianos falando sobre isto. Existe espaços separados entre o mundo dos deuses e o dos ancestrais mas essa diferença é apenas a diferença entre as categorias.

olodumaré, ebora, imole, orixas e os eguns

Não existe um espaço no orun que se sub-divida em varios oruns de acordo com o tipo de alma.

Até mesmo porque as almas não tem um espaço especial para elasse não voltar para seu ipori.
A alma é uma memória.

Porque sentimos os espíritos? A várias razões. A primeira, como citei e a não desagluitinação   dos elementos,  isso é função de oyá, se o funeral foi falho, o espírito ainda está ligado ao corpo, ou o corpo não liberou o emí, ou o emí ainda esta ativando orí, ou o orí ainda esta registrando dados no egun.

Com isso o espírito ainda possui “vida” a isso chamamos de kiumba, a tradução é “espírito sofredor”.

Porque sofredor? porque ele continua a registrar dados, os dados devem parar no momento do desencarne, pois ali existe oi entendimento do desencarne, se existe ainda registro de dados, não existe o desencarne na noção daquele espírito e ele vai continuar agindo como se estivesse nesse plano terrestre agindo mentalmente e energeticamente, se era uma pessoa ruim isso será desastroso.

Existe várias formas de ativarmos a memória de um morto. A nossa, a nagô se dá por um ritual específico na tumba do morto  ou se o morto estiver sepultado, ou assentado em nossa casa será lá o local de ativação. A ativação é feita, é feita a comunicação, a oferta, a homenagem, os pedidos, tão logo quando isso acaba acaba ali a “vida”.

Mas muitas vezes pensar em um morto (da família) pois nele perece o sangue em nossas veias

Tocar o objeto de um morto,  isso pode ativar a sua memória e faze-lo presente,por isso este cuidado que temos com pertences do morto e o cuidado que temos por não frequentar lugares onde supostamente habita ou é um mecanismo de ativação da morte,   cemitérios, encruzilhadas, centros espíritas, terreiros etc.

Um morto que ainda não fez o “desligamento” não vai se desligar sozinho, há de se fazer um ritual específico para isso.

A estes outros espíritos que já fizeram a passagem  e só ganham “vida” mediante as causas que citei, estes são “desmanchados”, mediante a rituais simples, dos quais na maioria conhecemos e fazemos, um deles, aspergir agua nas portas ou sobre a pessoa que o evocou, outra forma é fazer na pessoa que evocou o espírito um banho de agua de acaçá durante 5 dias, pois se o espírito não possui um assentamento e ele não foi evocado na tumba ele está usando um “ara” um corpo, um meio físico para unir aqueles 4 elementos necessário para que aja vida, no caso é o “ara” o corpo da pessoa que o evocou,  a agua de acaçá fara para tanto este desligamento

Por: Baba Kejaiye

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s